‘Os problemas geram uma sensação de propósito e dão substância a vida. Evita-los é o mesmo que levar uma existência sem sentido (mesmo que agradável)’ – A sutil arte de ligar..

Já parou para pensar na importância que os seus problemas tiveram na sua vida? Não, eu não estou ficando maluco. Os problemas têm uma relação muito próxima com a nossa alegria e com o nosso processo de maturidade. Logo, podemos deduzir que, a falta de problemas significa ter uma vida menos alegre e imatura. Por quê? Vamos por partes…

Problemas são inerentes as nossas vidas. Aparecem toda hora. Caso não tomarmos providências, ficaremos afogados neles. Fato.

O que tem a ver com alegria então? A partir do momento que você aceita tal problemática, já é um grande avanço e diferencial (se comparado a vida de quem não faz isso). 

Podemos estar pensando em problemas comuns; mas têm muitos problemões que não aceitamos e, para piorar, achamos culpados para eles. Por exemplo: atribuir a outros, a culpa de algo que, sabemos que é nossa; e por conta desta ação não resolvemos. Quando, na realidade achamo-nos incapazes.

Isso é nocivo.

Por mais que, momentaneamente, seja bom (só na nossa cabeça e não no mundo real); é um prazer efêmero. Por conta disso, ficamos viciados em achar culpados. Sentimo-nos bem por um tempo, e o óbvio acontece: os mesmos problemas voltam somados com mais problemas. Aí piorou tudo.

Mas não é só reconhecer. O próximo passo é solucioná-lo. Por pensar em tal situação “difícil” – agora se assumindo como o causador e diretor da dificuldade – e tentar achar uma maneira de resolver.

Por fim – após ter mudado o ponto de vista e agido em conformidade – teremos o contentamento. Teremos nos tornado uma nova pessoa, evoluído, ganhado experiência e, por conseguinte seremos mais maduros e fortes…. Até aparecer outro problema. E assim vai galera.

Então… Você pode ver sua vida por dois pontos de vistas: Uma vida cheia de problemas, vendo eles como barreiras impeditivas de viver; ou uma vida cheia de fases para enfrentar, passar e evoluir (ganhar xp/level.. sei lá como se fala).

 – Ué! Mas, até agora, só vi esforço… Ainda não vi lado bom. – Vamos então fazer um exercício…

Tente fazer um jogo de meditação. Delete TODOS os problemas pelos qual você já passou. Pronto? Agora responda: Você seria o que hoje? …. Seja sincera(o) …
Isso mesmo! Talvez não seria diferente de uma criança (onde, quem tomava conta dos seus problemas eram seus pais). Nem isso você seria, se duvidar.

Saber aceitar, definir e solucionar problemas é uma forma de dar cor, sentido e rumo a vida.

A partir do momento que você nega seus problemas, tentando esconde-los com prazeres efêmeros, você perde o contentamento, perde as lições que o problema lhe traz e com isso não evolui como pessoa (fadado a ficar preso no seu atual “eu” para sempre). Ficando sempre na mesmice e, precisando de cada vez mais, prazeres banais para esquecer daquilo que estará sempre presente.

Quando você passa por um pico de problemas e, de modo corajoso, soluciona-os; o que vem é alegria e contentamento em ter solucionado aquilo. Preparando-o para enfrentar o próximo problema ou dificuldade…

(Só não forçar a barra também. Existem problemas que não antecedem uma alegria. Um exemplo é a morte – nós “lidamos” com ela. Mas o que estou querendo dizer aqui é sobre aquele problema que te impede de crescer, te impede de melhorar. 
Aquelas situações criadas por nós mesmos – ou por aqueles que nos rodeiam. Onde basta termos força para conseguir superá-los.)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.